{browse_happy}

Maior movimento requer melhor planejamento

Por Editor Brasil em Nov 14, 2017

Por Gilberto Quintanilha*


Final do ano chegando e, com ele vem o tão esperado crescimento no movimento do varejo. Com estoques mais altos, espera-se um maior número de vendas. O que muitos varejistas esquecem é que, com o aumento do estoque e vendas, há o crescimento nas perdas. Este é o momento para se planejar estrategicamente com ações direcionadas para atingir a metas desejadas.

Os varejistas precisam, mais do que nunca, investir em práticas para continuar crescendo diante do cenário econômico que o país enfrenta. As metas são desafiadoras e, por esse motivo, qualquer impacto na margem poderá fazer toda a diferença no resultado do fechamento de mais um ano.

O ambiente econômico em que estamos inseridos conta com um alto índice de desemprego, reflexos do aumento dos preços de produtos e, falando em números, segundo o resultado da última pesquisa de perdas da ABRAS, houve um total de R$7,11 bilhões em perdas no ano de 2016. Isso mesmo, tudo distribuído em avarias; vencimentos; furtos e erros administrativos. Situações que são geradoras de insatisfação ou, até mesmo, da perda do cliente - que se mostra muito mais presente nesse período.

O resultado de 2,10% em perdas não ocorre somente por conta do maior movimento e volume de vendas, mas também por causa da maior exposição de produtos. Em alguns casos, pode ser considerada, até mesmo, desordenada, facilitando o furto. Outro fator comum que contribui para esse aumento é a não aplicação de etiquetas antifurto nos produtos de maior risco. Esta prática é bastante comum em virtude do alto volume recebido, da necessidade de rapidez na reposição e, em alguns casos, da falta de recursos para a aplicação.

Mas então, o que fazer para lucrar mais e perder menos? O que fazer para manter uma organização e controle que não comprometam as vendas? O que fazer para expor produtos sem colocá-los em risco? Pensando nisso, a Johnson Controls dá 10 dicas para auxiliar o varejista neste momento de tomada de decisões:

1. Servimos bem para servir sempre

O bom atendimento é sempre a melhor ação preventiva, pois conquista o cliente e espanta o furtante;

2. Garanta o funcionamento

Testar os equipamentos de CFTV, rádios comunicadores e antenas de alarme no início do dia pode fazer muita diferença;

3. Efeito dominó

Estimule todos da equipe a se sentirem responsáveis pelos resultados: prejuízos afetarão a todos igualmente;

4. Fique de Olho

Atenção ao acesso a áreas restritas ou a pessoas que circulam pela loja em pontos de pouca visibilidade;

5. Atenção no recebimento

Redobrar a atenção no recebimento, mas sem prejudicar a reposição;

6. Prevenir é melhor que remediar

Maior atenção sobre produtos de alto risco sem alarme – se um desses produtos está sem alarme, aplique na hora ou informe seu responsável – avaliar com o fornecedor se ainda há tempo de enviar produtos com o alarme aplicado na origem;

7. Dê destaque

A maior exposição pode sim ser feita, mas em locais monitorados por câmeras e de boa visibilidade, afinal você quer destacar esse item;

8. Compartilhe resultados

Nas reuniões semanais ou diárias com as equipes, reforce as orientações sobre pontos de atenção percebidos ao longo dos dias e compartilhe os resultados obtidos, isso fortalecerá o comprometimento das pessoas.

9. Produtos Sazonais

Produtos sazonais requerem maior atenção, criar regra e definir muito bem os responsáveis pela reposição, avalie o CFTV para realização de rondas de forma a identificar rupturas.

10. Nos caixas

Atenção aos cancelamentos, descontos e sangrias – defina alçadas, reforce os procedimentos já existentes, atualize os usuários e senhas dos aprovadores e mantenha o acompanhamento sobre situações de excesso, vistoria sobre a atualização de preços e alinhamento com os aprovadores pode gerar bons resultados nas margens;

Garantir uma boa experiência de compra ao cliente e proteger o inventário por meio de soluções e atitudes que tragam segurança é sinônimo de um bom rendimento ao final do período. Além de diminuir o impacto causado pelos eventuais furtos, traz a fidelização do cliente fazendo com que contribua para um impacto positivo à margem e, consequentemente para um melhor fechamento do ano.

*Gilberto Quintanilha é Gerente de Prevenção de Perdas da Johnson Controls no Brasil

Unidades de negócio da Johnson Controls